A coluna da semana


Quando fechava a Babel, esbarrei num “scroll painter” pra definir o ilustrador da HQ I See the Promised Land. O cara é indiano, artista patuá que faz scroll painting. Depois de tentar as versões possíveis pelo dicionário, joguei no Twitter a pergunta sobre qual a melhor tradução, e Marina Della Valle, ótima tradutora, jornalista e amiga (e poeta nas horas vagas), sugeriu “pintor de pergaminhos”, enquanto o Mag, meu ex-editor na Ilustrada, super entendido de artes, achou que o mais próximo seria “pintor de rolo”.

Fui tirar a dúvida com o Toninho, repórter de literatura e artes plásticas do Estadão, e a resposta foi curiosa: “Considerando a que se refere, a tradução mais correta seria ‘pintor de rolo’, só que o termo não existe.” Depois foi na minha mesa e me pediu pra olhar no Google Images. Perguntou se era importante entrar nesse nível de detalhe. Era – trata-se de HQ escrita por cantor de blues, com gírias negras americanas, e ilustrada com pintura de rolo asiática (termo que acabei usando), e as duas formas narrativas tão diferentes juntas é o mais bacana da HQ.

Enfim. A notinha taí embaixo, junto com a coluna Babel publicada no Sabático deste 23/10. Se alguém tiver sugestão melhor de tradução, só falar.

***

BABEL

Raquel Cozer, raquel.cozer@grupoestado.com.br – O Estado de S.Paulo

PARCERIA
Fotografia latino-americana tem projeto internacional
A Cosac Naify fechou acordo com a mais importante editora americana de fotografia, a Aperture, e a editora de arte mexicano-catalã RM para um ambicioso projeto de fotografia latino-americana. Em parceria, as três editoras lançarão em outubro do próximo ano um volume sobre os melhores livros latino-americanos de fotografia, abrangendo período de 1930 a 2010. Coordenada pelo crítico espanhol Horacio Fernández, a pesquisa está em andamento há três anos e conta com participação de um dos mais celebrados fotógrafos do mundo, Martin Parr, autor do primeiro grande livro nesse gênero (Photobook, lançado pela Phaidon em 2004 e que engloba livros de fotografia de todo o mundo), do fotógrafo argentino Marcelo Brodsky e do brasileiro Iatã Canabrava.

ANTOLOGIA
Contos pan-americanos
O agente literário francês radicado no País Stéphane Chao lança em dezembro obra que lhe tomou quatro anos, Antologia Panamericana. Tem textos de 48 autores de 30 países das Américas, de nomes célebres, como Richard Ford e Mario Benedetti (ainda vivo quando Chao iniciou o projeto) a escritores de países como Curaçao e Belize.

DIGITAL
Aposta no áudio
A Rocco lança neste ano o selo Rocco Digital, pelo qual sairão seus primeiros audiolivros. Abrirão o segmento os dois títulos iniciais da série Harry Potter, além de obras de Clarice Lispector e dos livros Eu Que Amo Tanto, de Marilia Gabriela, e Fala Sério, Mãe, de Thalita Rebouças – os dois últimos narrados pelas autoras. O selo englobará ainda e-books, com foco em escritores nacionais, como Adriana Lisboa e Silviano Santiago.

INFANTIL
Madonna para crianças
A editora Nossa Cultura comprou os direitos de 6 dos 12 livros da série infantil As Rosas Inglesas, escrita por Madonna e ilustrada por Jeffrey Fulvimari. Os títulos saem por aqui a partir do ano que vem. Publicados entre 2007 e 2008, sucederam livro homônimo de 2003 publicado pela Rocco e no qual a cantora registra a história de quatro meninas que têm inveja de uma vizinha.

GRAPHIC NOVEL
Ativista ilustrado
A graphic novel I See The Promised Land (imagem), sobre Martin Luther King, sai pela WMF Martins Fontes na segunda metade de 2011 – nos EUA, está prevista para o próximo mês de dezembro. Com roteiro do cantor de blues americano Arthur Flowers e ilustrações do indiano Manu Chitrakar, une tradições de narrativa, com as gírias negras dos EUA e pintura em rolos da Ásia.

ESTREIA
Romance de produtor
Terêncio Porto, um dos idealizadores e produtor executivo do Larica Total – sucesso de crítica e audiência do Canal Brasil -, estreia em romance em janeiro pela novata editora Flâneur. Em Só, Atrás do Ouro, narra os aprendizados pessoais de um cineasta durante um retiro numa pacata cidade.

*

A Flâneur estreia em novembro, com Ninguém Muda Ninguém, autobiografia artística do quadrinista André Dahmer, que pintou cada capa de tiragem especial de 600 livros.

HOMENAGEM
A vez da poesia concreta
Celebrado ao longo de 2010 por conta de seus 80 anos, Ferreira Gullar estará no Fórum das Letras de Ouro Preto (de 10 a 15 de novembro). A homenagem da vez, porém, ficará para antigo desafeto dele, o também poeta Décio Pignatari – Gullar rompeu com os concretistas em 1957. Pignatari participará de recital com a presença de Edney Silvestre, Carlito Azevedo, Frederico Barbosa e Adriano Botelho.

*

Com a programação quase fechada, Guiomar de Grammont, organizadora do evento, participa do 9.º Bellas Latinas, em Paris. Divide mesa com o sociólogo Edgar Morin

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: