Entrevistas pré e pós-Paraty


Esta caótica semana literária que, ufa, está acabando começou com a exibição do Roda Viva com o angolano José Eduardo Agualusa, da qual participei como entrevistadora convidada (ou ao menos tentei) junto com a Francesca Angiolillo, editora adjunta da Ilustrada. Vocês finjam que não dá para perceber que eu estava sem jeito até não dar mais. E não quero falar sobre bochechas.

[kml_flashembed movie="http://www.youtube.com/v/NBjDdMxPVcg" width="425" height="350" wmode="transparent" /]

(Achei no YouTube só o primeiro bloco, mas dá para ver os outros no site da TV Cultura)

E, para completar este post angolano* (e também começar uma nova caótica semana literária), aproveito para lembrar que na terça-feira participo do 34 Leituras Íntimas, sabatinando o escritor-sensação da Flip, valter hugo mãe. Pra quem não veio a Paraty, digo que vale muito a pena ouvi-lo falar. Pra quem veio ou viu pela internet, olha, assuntos que ficaram de fora da mesa dele na Tenda dos Autores podem render.

* valter hugo mãe é descrito como “português nascido em Angola”, porque mora desde muito novo em Portugal, e saiu de Angola quando o país ainda era colônia portuguesa.

Anúncios

6 Respostas

  1. Prezada Raquel,

    respeito muito o seu trabalho e tenho divulgado alguns dos seus textos nas redes sociais da Revista Crioula, que edito na USP. Porém, gostaria de apontar para o problemático uso da expressão “Província ultramarina portuguesa”, referindo-se a Angola.
    As implicações políticas desse eufemismo – urdido historicamente pela desfaçatez do regime salazarista – são incontáveis.

    Um abraço cordial, com o meu apreço…
    Rodrigo de Oliveira Antonio

    • Muito obrigada, Rodrigo. Você tem razão, vou arrumar. E, aliás, vou me dar à liberdade de publicar seu comentário em resposta a um leitor no blog da Flip, numa outra discussão sobre Angola. =)

  2. Que bochechas, Raquel? Legal vê-la na telinha! Pena que os outros entrevistadores falaram mais que vocês, porque, sem querer ofender os demais, as perguntas são muito genéricas e pouco elaboradas. Muito informais e não no bom sentido. Enfim, gostei, mas o link do Roda Viva vai para a entrevista do Sérgio Cabral, e não consigo encontrar a sua!
    Beijos!

  3. Ah, Raquel, para!!! Você estava linda na entrevista! Não cave elogios! rs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: